Rio de Janeiro,

sábado, setembro 18, 2021
spot_imgspot_img

Leia a nossa última edição #40

Niterói quer expandir Método Wolbachia contra o mosquito da dengue

Mais lidas

Foi assinada nesta quinta-feira (26), pela Prefeitura de Niterói e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), uma carta de intenção para expansão do projeto Método Wolbachia para a região de Pendotiba.

Na manhã desta quinta (26), o prefeito de Niterói, Axel Grael, se reuniu com o líder do Método Wolbachia no país e pesquisador da Fiocruz, Luciano Moreira, o coordenador de relações interinstitucionais da Fiocruz, Valcler Rangel, a diretora do Departamento de Ciência e Tecnologia, Alessandra Siqueira, o diretor substituto do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis, Cássio Peterka, ambos do Ministério da Saúde, e o consultor da Organização Panamericana de Saúde (Opas), Carlos Melo, para apresentação dos dados.

Na ocasião, também foi assinada uma carta de intenção entre a Prefeitura de Niterói, a Fiocruz e o WMP Brasil para que a metodologia seja aplicada em todo o município. Para a nova fase, será feito um investimento de R$ 2,8 milhões.

A liberação dos mosquitos Aedes aegypti com Wolbachia em Niterói, que começou com uma ação piloto em Jurujuba em 2015, e já cobriu cerca de 75% do território municipal, já surtiu efeitos. Até o momento, foram contemplados 33 bairros, alcançando 373 mil habitantes. Esta área corresponde a cerca de 75% do município. Nesta área, os mosquitos com Wolbachia estão estabelecidos, não havendo mais previsão de novas liberações.

A Wolbachia é um microrganismo intracelular presente em 60% dos insetos da natureza, mas que não estava presente no Aedes aegypti. O Método Wolbachia consiste na liberação de Aedes aegypti com Wolbachia para que se reproduzam com os Aedes aegypti locais e seja estabelecida uma nova população destes mosquitos, todos com Wolbachia. Não há modificação genética neste processo. Com o tempo, a porcentagem de mosquitos que carregam a Wolbachia aumenta, até que permaneça alta sem a necessidade de novas liberações, como é o caso das áreas de intervenção em Niterói.

Cerca de 750 voluntários participaram diretamente do Método Wolbachia, hospedando uma armadilha de mosquitos em sua residência ou estabelecimento comercial. Os agentes comunitários de saúde, agentes de combate às zoonoses, além das demais equipes do Programa Saúde da Família, foram essenciais para a implementação do Método Wolbachia em Niterói. O monitoramento dos mosquitos com Wolbachia será feito pelas equipes da Prefeitura.

Foto: Bruno Eduardo Alves
spot_img
spot_img

Últimas noticias