82° DP prende suspeito de envolvimento na morte de Marielle Franco

Foto: Renan Olaz / Câmara Municipal do Rio

Foto: Renan Olaz / Câmara Municipal do Rio

Agentes da 82° DP – Maricá realizaram, na manhã desta terça-feira (18/12), a prisão de Renato Nascimento dos Santos, conhecido como “Renatinho Problema”. Contra ele havia dois mandados de prisão expedidos, ambos por homicídio. Renato tem um suposto envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, ocorrido em março desse ano.

“Renatinho Problema” foi preso em Guapimirim, na Baixada Fluminense, e é suspeito de integrar uma organização criminosa chefiada por Orlando Curicica. O ex-policial Bruno Nascimento de Oliveira, conhecido como Monstro, que acompanhava Renato, também foi preso por porte ilegal de arma. Com eles, armas, munições e aparelhos celulares também foram apreendidas (foto: Divulgação / PCERJ).

Num primeiro momento, a delegada Carla Tavares, que comanda a Delegacia de Maricá, afirmou que um dos mandados contra Renatinho Problema era por participação no atentado contra Marielle – mas recuou minutos depois, dizendo que o mandado de prisão cumprido foi por organização criminosa, que seria comandada por Orlando Curicica.

“Recebemos uma denúncia anônima de que o Renato estava escondido em Guapimirim e que ele seria envolvido na milícia de Orlando Curicica e contra ele existia dois mandados de prisão por homicídio. A informação também dava conta de que existiam armas escondidas na residência onde ele estaria. Chegando lá, encontramos o ‘Renatinho Problema’ com outras pessoas na casa e tinha arma e munição”, explicou a delegada responsável pela 82° DP.

Ainda segundo a delegada, a participação de Renatinho no caso Marielle será investigada pela DH. Em depoimento na delegacia de Maricá, quando questionado, o suspeito negou qualquer tipo de investigação. O ex-PM também será ouvido na Delegacia de Homicídios.

Quinta-feira passada (13), agentes da Divisão de Homicídios foram às ruas para cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão, mas ninguém foi preso.

As investigações do assassinato da vereadora e seu motorista estão a cargo da Delegacia de Homicídios (DH). O inquérito dá conta de que, além de Orlando Curicica, o também vereador no Rio de Janeiro Marcello Siciliano está envolvido na morte. O secretário de Segurança, general Richard Nunes, afirmou que Marielle foi morta por supostamente ameaçar grilagem de terras da milícia.

*Em atualização

Notícias Relacionadas