Câmara de Maricá vai criar comissão para acompanhar investigações da chacina em Itaipuaçu a pedido de movimentos sociais

A Câmara Municipal de Maricá vai criar uma Comissão de Representação Externa para acompanhar as investigações da chacina ocorrida no final de semana no residencial Carlos Marighela, em Itaipuaçu. O pedido foi feito por representantes de diversos movimentos sociais da cidade como a União de Negros e Negras pela Igualdade (Unegro), União Brasileira de Mulheres (UBM), União da Juventude Socialista (UJS), o PCdoB Maricá, o Centro Cultural Zumbi dos Palmares, União Estadual dos Estudantes (UEE), Nova União das Associações de Moradores de Maricá, Juventude do PT, Movimento Negro do PDT e Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (Comdef). 

O pedido foi apresentado pelo primeiro secretário, vereador Marcus Bambam (PV), durante a sessão ordinária desta quarta-feira (28/3). O objetivo é atuar em parceria com os órgãos de segurança, Ministério Público e outros na apuração do assassinato brutal de cinco jovens na área de convivência do condomínio do Minha Casa, Minha Vida.

O presidente da Câmara, Aldair de Linda (PT), declarou todo apoio e solidariedade aos familiares das vítimas e indicou que a comissão fosse instalada o mais rápido possível. No dia 10 de abril, uma reunião entre vereadores, o prefeito Fabiano Horta, representantes do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) e da 6ª Companhia de Policiamento vai discutir ações de segurança na cidade.

“Que essa tragédia possa nos prevenir com o que vem por aí. Que essas mortes não passem em vão. Temos uma Casa de Vereadores bem atuante. Vamos nos juntar para fazer a Comissão Externa. Ela vai atuar em parceira na apuração das causas, razões, consequências e custos sociais da morte desses jovens. Os movimentos nos procuraram e, na próxima semana, vamos debater esse assunto. Tenho certeza que os vereadores, independente de governo, lutam para a melhoria de todos nós. Não vamos deixar isso passar em branco”, afirma Aldair.

O vice-presidente, Frank Costa (SD), pediu agilidade da Comissão de Justiça para atender o protocolo feito pelos grupos sociais. “Em nome do presidente Aldair, peço que a Comissão de Justiça ande o mais rápido com esse protocolo. A Câmara dá total apoio às famílias e aos movimentos sociais”, disse.

O presidente da União de Negros e Negras pela Igualdade, Ricardo Teixeira, falou sobre a importância da comissão.

“Nós, movimentos sociais, partidos e familiares, protocolamos este pedido de instauração de Comissão Externa junto à Câmara para que, com os órgãos de Segurança, possam apurar este extermínio da nossa juventude. A cada 23 minutos um jovem é assassinado no país e em sua maioria são jovens negros. Vidas importam, sonhos foram interrompidos e providências que acabem com o extermínio da nossa juventude precisam ser tomadas”, afirma Ricardo.

Notícias Relacionadas