Categoria feminina agita Praia de Itaipuaçu no primeiro dia da Copa Brasil de Futevôlei

Fotos: Divulgação / PMM

Fotos: Divulgação / PMM

Por Nickolas Lyra Rodrigues*

A Praia de Itaipuaçu recebe, neste final de semana (23 e 24/06), a Copa Brasil de Futevôlei, realizada pela Confederação Brasileira de Futevôlei (CBFv) com o apoio da Prefeitura de Maricá. A competição contou com a disputa nas categorias feminina – inédita no município – e masculina, além de outras atrações, como food trucks, sorteios, fut redinha, dentre outras. A arena está localizada na altura da Avenida 01, no Barroco. O primeiro dia de competição foi dedicado à categoria feminina. Entre as atletas participantes, pode-se destacar a dupla líder do ranking brasileiro, Natália e Bianca, e as campeãs mundiais na Áustria em 2016, Lane e Thais. Com 20 jogos programados durante o dia, se viram diversos lances bonitos, que agitaram o público presente na arena.

O cair da noite no primeiro dia de competição trouxe a fase final das disputas na categoria feminina. Como esperado, as líderes do ranking nacional e campeãs da Copa América em 2018 disputada no Paraguai avançaram à final após superarem a dupla Aninha e Vanessa na semifinal. Na partida, Josy e Sabrina (que mostraram muita regularidade no torneio), venceram as campeãs mundiais em 2016, Lane e Thais, em jogo disputado, mas vencido com autoridade. A dupla vencedora colocou em prática toda a sua experiência internacional, já que a Josy já foi campeã mundial do esporte, e a Sabrina carrega consigo três títulos sul-americanos.

Na final, recheada de expectativa, Bianca e Natália deram um show e venceram com facilidade a dupla Josy e Sabrina, que em momento algum conseguiram parar o ímpeto das favoritas. Natália enalteceu a experiência da parceira: “A Bianca joga Futevôlei há 20 anos e a experiência dela é fundamental para o nosso desempenho, são 8 anos juntas e a parceria nunca deixou de dar certo. Hoje estamos ganhando, mas já batemos muita cabeça também”, finalizou. Bianca acredita que eventos como esse só aumentam a vontade de jogar:  “Ano passado não teve o campeonato, mas esse ano viemos com tudo. Então quanto mais competições, melhor. A prefeitura e a CBFv estão de parabéns”, comemorou.

FALTA DE APOIO

Campeãs mundiais em 2016, Lane Matos e Thais Cruz contaram que, além da falta de apoio, ser campeã mundial parece não ter peso. “Faltam projetos sociais que incentivam o esporte, eu estudo, minha parceira trabalha, o que dificulta nossos treinos, a gente não consegue viver somente do esporte. Nós fomos campeãs mundiais e parece que isso não tem peso. Apesar da divulgação ser muito forte, os investidores ainda não veem assim”, lamentou Lane.

Natália Guitler, campeã da Copa Brasil de Futevôlei 2018 ao lado da Bianca Hiemer, frisou que a categoria feminina está em ascensão, mas reclamou da falta de apoio ao esporte. “A categoria feminina vem sendo reconhecida ano após ano, mas ainda falta apoio. Tem eventos que a gente perde por falta de investimento não só de empresas, mas das secretarias de esportes. Por isso é tão importante para a gente prestigiar um evento como esse”, afirmou.

* Estagiário sob supervisão de Lucas Nunes.

Notícias Relacionadas

 

 

 

 

 

 

 

ID do anuncio invalido ou não publicado.