Cinco meses após concluir curso de panificação da prefeitura, ex-aluno abre padaria em Maricá

Foto: Elsson Campos / ASCOM Prefeitura de Maricá

Foto: Elsson Campos / ASCOM Prefeitura de Maricá

Quando se tem a veia empreendedora, não importa o ramo, você certamente vai empreender. Esse é justamente o caso de Paulo César da Paz Dutra, de 57 anos. Depois de concluir o curso gratuito de Panificação oferecido pela Secretaria do Trabalho por meio da contratação do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), o ex-proprietário de uma empresa que prestava serviços de reformas prediais abriu a padaria Pães e Bolos Frossard Dutra, à margem da Rodovia Amaral Peixoto, na altura do km 17, em Inoã, cinco meses após o término do treinamento.

Paulo prestou serviços por duas décadas em várias cidades do estado, mas em 2014 precisou fechar as portas. Desempregado, decidiu investir com a esposa na venda de porta em porta, a pé ou ônibus, de bolos que ela fazia em casa, em Itaipuaçu. A clientela era atendida na rua, em Maricá e até em Iguaba Grande, com dificuldade. “Na primeira vez saí com dez bolos e só consegui vender um”, lembra. Mas, em uma dessas ocasiões o cliente sugeriu a ele que abrisse uma padaria em Inoã, já que o bairro tem uma grande carência nesse segmento.

Pesquisando mais, inclusive percorrendo as ruas, Dutra confirmou a informação e soube do módulo de panificação ministrado pelo Senai no Polo de Inoã. Ao todo foram dois meses de curso oferecido diariamente no horário de 18h às 22h. Lá ele teve aulas teóricas mescladas com a prática, na qual aprendeu a fabricar diversos tipos de pães, sovado, doce, brioche, sonhos, pão de forno, de forma, entre outros.

Entusiasmado com o aprendizado adquirido no curso de panificação e ainda passando por dificuldades financeiras, o microempreendedor ingressou também no módulo de confeitaria e doces finos do mesmo pólo. Ali aprendeu a fazer mil folhas, croissant, bala de coco, quindim, entre outros doces sofisticados. Com conhecimento que ganhou através dos módulos, finalmente resolveu abrir a padaria. Vendeu o carro e juntou as economias para ter seu negócio. “Como sou administrador eu até pensei em criar uma empresa de administração, mas para começar do zero é difícil. Pensei em chamar minha filha, que também é administradora, mas ela já tem seu emprego”, disse. “Esse curso mudou a minha vida, meu horizonte e o meu pensamento. Hoje estou dentro de um lugar que gosto demais, pois adoro lidar com o público. Me deu uma maneira de envelhecer. Vale a pena fazer o curso”, completou Paulo César.

Acompanhando o marido, nas fases mais difíceis da vida, Hilce Frossard Dutra, de 52 anos, entrou no módulo de confeitaria e doces finos com Paulo César. “Gostei muito deste curso, pois aprendemos várias técnicas. Ele nos dá uma nova oportunidade para nos incentivar mais ainda a não desistir e ver que sempre temos o que fazer. Se nós temos desejo de nos superar, ele nos deu a certeza de que há sempre um caminho a percorrer e a vencer. Com dedicação e empenho a crise não nos vence nunca”, finalizou Hilce Frosard.

Além da variedade de pães, o cliente encontra no estabelecimento, que funciona de segunda a sábado, das 6h30 às 18h, além dos pães e bolos feitos pelo casal, refrigerante, leite, café, açúcar, queijo, salgadinhos para lanche, entre outros produtos.

Esse é mais um caso de sucesso de ex-alunos do curso oferecido pela Prefeitura. No primeiro, uma ex-aluna também conseguiu abrir sua padaria na antiga estrada do Caxito depois de aprender a panificação. Já o outro caso de êxito foi com uma dupla do curso de Drywall (gesso acartonado), que após se formar resolveu abrir uma empresa no segmento para fazer serviços pela cidade. Desde que foi contratado pela Prefeitura em outubro de 2014, o Senai, por meio do Programa de Qualificação Profissional, já formou mais de 3.000 alunos.

Notícias Relacionadas