spot_imgspot_img

Leia a nossa última edição #69

spot_img
spot_imgspot_img

Comperj: Petrobras vai retomar as obras da refinaria em Itaboraí

spot_imgspot_img

Mais lidas

As obras da refinaria do Complexo Petroquímico do Estado do Rio (Comperj), em Itaboraí, serão retomadas, após terem sido paralisadas em 2015, após escândalos de corrupção desvendados pela Operação Lava Jato. Quem garante é o presidente da Petrobras, Jean Paul Prattes, que acrescentou que a retomada faz parte do plano estratégico da empresa, apresentado no último dia 24, na sede da estatal, no Rio, para o período 2024-2028.

O diretor de Refino, Transporte e Comercialização da empresa, Cláudio Romeo Schlosser, disse que a refinaria que está em construção no antigo polo, a Gaslub, terá as obras concluídas em 2028, quando entrará em operação. Prattes, por sua vez, garantiu ainda que não vai mais vender refinarias. “Vamos investir nelas”, disse o presidente da Petrobras.

Schlosser disse ainda que a Gaslub vai produzir diesel a partir de petróleo e matérias primas vegetais. Segundo Jean Paul Prattes, a Gaslub faz parte de um setor de refino que receberá investimentos de R$ 17 bilhões da estatal nos próximos quatro anos. “É o maior plano de investimentos de uma empresa brasileira”, disse o presidente da Petrobras.

As demais unidades necessárias para o início das operações da Gaslub, como as auxiliares, dutos submarino e terrestre, já estão com o escopo concluído, em fase de comissionamento final ou pré-operação.

O Projeto Integrado Rota 3, do qual faz parte a UPGN, é estratégico para a Petrobras e para o país, pois viabilizará o escoamento e processamento de até 21 milhões de m³/dia de gás natural produzido no Polo pré-sal da Bacia de Santos e o incremento da oferta de gás natural para o mercado brasileiro, reduzindo a dependência às importações de GNL.

Em 26 de outubro passado, a Petrobras assinou contrato para fornecimento de água de reuso para o Gaslub, a partir do tratamento de efluentes da Estação de Tratamento de Esgoto de São Gonçalo (ETE-São Gonçalo), operada pela Aegea. No Brasil, este é o maior projeto de reuso de água em área industrial. A previsão é que as obras de adequação da ETE – São Gonçalo sejam iniciadas pela Aegea no segundo semestre de 2024.

“A implantação do projeto permitirá que os ativos industriais do Gaslub sejam abastecidos por água produzida a partir do esgoto doméstico tratado. Dessa forma, a atividade industrial terá uma fonte inesgotável e sustentável de água” explica o diretor de Processos Industriais e Produtos, Wiliam França.

A disponibilização da água de reuso para o Gaslub deve ocorrer a partir do segundo semestre de 2026. A partir de então, a unidade deixará de consumir água potabilizável (água que pode se tornar potável, após tratamento convencional), que poderá ser direcionada para consumo humano.

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Últimas notícias

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img