Rio de Janeiro,

sexta-feira, setembro 17, 2021
spot_imgspot_img

Leia a nossa última edição #40

Escolas particulares retomam aulas presenciais em Maricá

Mais lidas

As escolas da rede particular de ensino de Maricá voltaram às aulas presenciais nesta segunda-feira (12). As escolas estão autorizadas a estabelecer um sistema híbrido, parcialmente online e presencial, no caso de os responsáveis pelos alunos não concordarem com  o retorno presencial. As unidades, no entanto, precisam cumprir todas as medidas previstas nos protocolos de combate à pandemia.

Equipes da Guarda Municipal e da Secretaria de Ordem Pública (Seop) estão percorrendo as escolas para conferir se as medidas estabelecidas estão sendo cumpridas e orientando aos responsáveis.

“Se houver denúncias de descumprimentos, nós vamos avaliar se mandaremos uma força tarefa, mas todas as equipes estão envolvidas em diversas ações de fiscalizações em toda cidade para evitar aglomerações e por consequência a proliferação do vírus da Covid-19”, afirmou Rhonaltt Bueno, subsecretário de ordem pública.

Em prevenção a Covid-19, como regras gerais, independente do estabelecimento de ensino é obrigatória a utilização de máscara descartável, máscara de tecido não tecido (TNT), ou tecido de algodão, mesmo que caseira de forma correta cobrindo simultaneamente nariz e boca, em todos os ambientes, as máscaras deverão ser trocadas a cada 3 horas pelos estudantes.

De acordo com a diretora de um colégio particular no Centro de Maricá, Adriana Muylaert, a escola tem seguido as orientações das secretarias de Educação e de Saúde e cumprindo todos os protocolos da vigilância sanitária.

“Nós temos os tapetes higiênicos, aferição de temperatura, álcool em gel em todos os locais da escola, enquanto uma turma desce, uma equipe de limpeza higieniza a sala, os intervalos estão sendo separados e a entrada dos turnos também, tudo para evitar muito contato. Os parquinhos e os brinquedos estão interditados, tudo para oferecer o máximo de segurança possível. Pedimos também a colaboração das famílias dos alunos, caso o aluno apresente algum sintoma não mandar para escola. A  gente tem buscado essa comunicação que também é fundamental”, afirmou.

Já para Déborah Duarte, mãe da Manuela, de cinco anos, que optou voltar com a filha para o ensino presencial, a volta das aulas na escola tem dois lados, um positivo e um negativo

“O positivo é que ela aprende muito melhor presencialmente, ela é uma criança de cinco anos e não tem muita paciência pra ficar presa no on-line e acaba não aprendendo tanto. Presencialmente como é tudo feito de forma mais lúdica e dinâmica, acaba sendo mais fácil para ela aprender e o lado negativo é a preocupação. Na pandemia a gente fica sem muitas opções mas eu confiei que a escola está seguindo todos os protocolos de segurança, tomando todos os cuidados, inclusive estamos mandando máscaras extras e ela troca”, diz.

O novo decreto de restrições sanitárias determina a aferição da temperatura corporal de todos, distanciamento mínimo de 1,5m entre as pessoas, frasco com álcool em gel 70% disponível em todas as salas de aula, higienização frequente das superfícies de toques como, por exemplo, corrimão de escada, telefones e outros, limpeza e desinfecção frequente dos sistemas de ar-condicionado, garantia de circulação de ar com, no mínimo uma porta ou uma janela aberta, dispor de comunicados que instruam os clientes e funcionários sobre as normas de proteção que estão em vigência no estabelecimento e bebedouro de jato impedidos ou adaptados para uso exclusivamente de torneira, com utilização de garrafa individual ou copo descartáve

spot_img
spot_img

Últimas noticias