Especial Dia da Mulher: GM em Maricá conta como é atuar na cidade

GM Jacqueline Souza

Quem foi que disse que segurança pública é só para homem? Mulher pode e deve atuar na área sim! E só quem é agente de campo, atuando diariamente nas ruas para garantir a ordem pública e a segurança dos cidadãos e do patrimônio público sabe o que é ser mulher em um ambiente primordialmente masculino.

Para falar um pouquinho sobre o assunto conversamos com a Guarda Municipal Jacqueline Souza, que trabalha na corporação desde 2013 e teve a chance de passar por diferentes grupamentos (e, consequentemente, diferentes experiências). E ela confessa: “não passava pela minha cabeça”.

ErreJota Notícias: Como surgiu essa história de ser agente da Guarda Municipal?
GM Jacqueline: Não passava pela minha cabeça ser guarda municipal. Eu tinha amigos que já eram, meu primo é GM na cidade de Tanguá, mas eu não conhecia as funções. Eu trabalhava em outro lugar, em um comércio, e abriu concurso e eu pensei: ‘vou fazer’. Na época, abriu outro concurso simultâneo, para inspetoria de alunos, e era esse o qual eu queria passar. Passei nos dois e acabei sendo chamada no da GM, tomei posse e uns cinco meses depois fui chamada no outro, mas eu resolvi ficar na corporação. Estou há sete anos.

ErreJota Notícias: Quando você foi chamada pelo segundo concurso, o que te fez mudar de ideia e permanecer na Guarda Municipal?
GM Jacqueline: Eu acabei gostando das funções, da corporação. Acabei gostando do que eu faço, por isso escolhi permanecer.

ErreJota Notícias: As forças de segurança são muito masculinizadas, até mesmo a farda acabou sendo pensada para o homem. Como foi entrar nesse ambiente?
GM Jacqueline: Foi assustador, em um primeiro momento. As pessoas, ao mesmo tempo que não acreditavam no meu serviço, ficavam desconfiadas. ‘Como assim, uma mulher como guarda?’. Até hoje ainda acontece um pouco. Precisamos sempre ficar provando a nossa autoridade.

ErreJota Notícias: Você já foi desacatada simplesmente por ser mulher?
GM Jacqueline: Sim. Já fui acuada quando eu era do grupamento de trânsito. Para me impor no trânsito foi bem complicado. Já sofri ameaças, tentativa de atropelamento, assédio, várias situações que não foram muito legais durante o exercício da minha função. Nessas horas, você tem que ser o máximo objetiva, ser o mais séria por cima, senão passam com o carro por cima de você.

ErreJota Notícias: Como você reage quando é assediada?
GM Jacqueline: Eu fico triste, porque acredito que tudo tem que ser com respeito. Quando acontece, é preciso cortar para que não crie uma falsa intimidade. A gente está trabalhando, durante um serviço, e a gente precisa manter a imparcialidade. Eu tento ser o mais curta possível com a pessoa. E, dependendo da forma como as coisas aconteçam, temos que proceder à delegacia. Tento evitar ao máximo para que não chegue a esse ponto, encerrando a situação o quanto antes.

ErreJota Notícias: Você sofre alguma diferenciação no tratamento dentro da corporação por ser mulher?
GM Jacqueline: Não. Tanto o atual comando, quanto o Secretário de Ordem Pública, não diferenciam os sexos dos agentes, mas sim olham a capacidade de cada um dos guardas.

ErreJota Notícias: Falando da Jacqueline Souza, qual o seu maior sonho, seu objetivo?
GM Jacqueline: Meu sonho é atuar mais na minha área, Ciências Contábeis, e quem sabe até mesmo passar em um concurso público para auditor fiscal do Tribunal de Contas do Estado. É um sonho, mas tem muita coisa para acontecer. Mas, antes de tudo, é ser valorizada pelo nosso trabalho, ser respeitada, sem machismos, sem rebaixamentos simplesmente por ser mulher.

ErreJota Notícias: O que te tira do sério, para o lado bom e lado ruim?
GM Jacqueline: Pro bem, é ser elogiada. Gosto de receber elogios. É uma coisa boba, mas elogio é sempre bom para o nosso ego. Agora, fico com raiva quando duvidam da minha capacidade.

ErreJota Notícias: Você sonha ter filhos?
GM Jacqueline: Sim. E precisa ser breve. Vou fazer 32 anos e minha médica falou que, se eu quiser, não posso deixar mais lá para frente. E daqui a um ano, no máximo.

ErreJota Notícias: Deixe uma mensagem para as mulheres nessa data especial.
GM Jacqueline: Acredite em si mesma e estude. Estudar sempre é muito importante. Isso abre a nossa mente e enxergamos o poder que a gente tem. Se valorize. Se respeite. Isso é fundamental em todas as áreas da nossa vida.

Notícias Relacionadas