Estado registra aumento brusco de casos de caxumba

Foto: Agência Brasil Foto: Agência Brasil

2019 tem percebido um vertiginoso aumento no número de casos de caxumba, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES). Segundo o órgão, o registro de pacientes com a doença aumento 130% em relação ao mesmo período do ano passado, quando observados os dados de janeiro a agosto de cada ano. O número de casos já bateu recordes negativos da doença.

Nos primeiros oito meses de 2019, foram feitos 2.185 registros de caxumba, superando os registros de todo o ano de 2018 (1.973) e de 2017 (1.376). No mesmo período de 2018, foram registrados 948 casos. Não houve nenhuma morte entre janeiro de 2017 e agosto de 2019.

Alexandre Chieppe, porta-voz da Secretaria, explicou que, “possivelmente, os fatores que estão por trás desse aumento de casos são os mesmos relacionados ao reaparecimento do sarampo”. Segundo Chieppe, parte importante da população fluminense não tem o esquema vacinal completo contra sarampo, “até por conta da improdução da segunda dose da vacina tríplice, que aconteceu só em 2002”. Para Chieppe, essa suscetibilidade de parte da população explica o aumento do número de casos de caxumba, quando comparado a anos anteriores, e também é responsável pelo reaparecimento do sarampo, no estado.

Apesar do crescimento vertiginoso no número de casos, a SES disse que não há surto da doença no estado. A vacina que as pessoas devem tomar é a tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. A recomendação da SES é a mesma para o controle do sarampo: “A população que não tenha duas doses da vacina tríplice, tomadas após um ano de idade, deve comparecer a um posto de vacinação para fazer a atualização da caderneta vacinal”.

Para Chieppe, o número de casos de caxumba deve crescer mais até o final do ano. “A gente está chegando agora ao final do inverno, quando o risco de transmissão dessas doenças diminui. Mas não para. Então, possivelmente, a gente deve chegar no final do ano com um número infinitamente maior que o do ano passado”, explicou. O profissional espera que, com esse crescimento, haja uma sensibilização e que o próximo ano seja mais tranquilo.

Maricá – Apesar do aumento de casos em todo o estado, Maricá não registrou nenhum caso da doença em agosto de 2019, de acordo com a secretária de Saúde Simone Costa.

Notícias Relacionadas