Estudantes de Maricá se manifestam e se reúnem com prefeito Fabiano Horta

Lucas Nunes

Lucas Nunes

Estudantes de escolas públicas de Maricá fizeram manifestação nesta quarta-feira (20) no centro da cidade. Com gritos de ordem, os manifestantes pediam a saída do presidente Michel Temer, do governador do estado Luiz Fernando Pezão e do vereador Fillippe Poubel. O ato terminou na Prefeitura de Maricá.

O prefeito Fabiano Horta recebeu uma comissão de estudantes formada por presidentes de grêmios estudantis em seu gabinete e assinou um termo de compromisso com os alunos maricaenses, em que cinco propostas foram apresentadas e aceitas pelo chefe do executivo municipal. Foi solicitada a reforma de todas as nove escolas estaduais da cidade, uma instituição de ensino superior, convênio para as carteirinhas estudantis, a incorporação da Bienal da UMES ao calendário oficial do município e a ampliação do Instituto Federal Fluminense.

Para Yeza Rosa Aguiar, presidente da União Maricaense de Estudantes Secundaristas (UMES), a reunião com o prefeito comprovou que o mandatário está comprometido com a educação na cidade. “Isso mostra que um governo progressista tem o papel de apoiar e dialogar com o movimento estudantil e o cumpre aqui em Maricá. E, acima de tudo, de entender que o movimento estudantil, quando é organizado, ele tem voz e agrega na construção de um futuro melhor”, afirmou.

Fabiano Horta acredita que a politização da juventude é benéfica para a sociedade e afirmou que o poder público apoia a organização de movimentos de igual cunho. “Em Maricá a gente vê a juventude se politizando, discutindo a sociedade, discutindo o seu próprio futuro, e a gente tem que estar junto, ajudando, estimulando, canalizando essa grande energia que quer construir o mundo. O jovem quer construir um mundo diferente. O importante é que eles tenham boas referências e que eles foquem naquilo que estão sonhando e realizem junto com o poder público”, comentou.

A Professora Adriana Luíza da Silva, secretária de Educação do município, acredita que esse tipo de movimento estimula a democracia. “Nós estamos mostrando que o nosso município trabalha a democracia desde a escola, dando voz e vez aos estudantes para que possamos fazer essa continuidade de um governo democrático e participativo. Não basta ter democracia, tem que haver participação”, concluiu.

CONGRESSO DA UMES

Antes da manifestação, a UMES realizou o seu terceiro congresso no Esporte Clube Maricá. De acordo com a organização, foram mais de 3.500 alunos da rede pública de ensino. Foram atividades culturais, rodas de debates e palestras para os alunos da cidade.

Notícias Relacionadas

 

 

 

 

 

 

 

ID do anuncio invalido ou não publicado.