Governador veta mudança de nome do Maracanã

O nome de batismo do Maracanã, Estádio Jornalista Mário Filho, não será mais alterado. O governador, Cláudio Castro, vetou a mudança de nome do Complexo do Maracanã – para Edson Arantes do Nascimento, Rei Pelé – proposta em projeto de lei (PL), aprovado pela Assembleia Legislativa (Alerj).

Apesar de aprovada, a própria Alerj voltou atrás, após repercussão negativa gerada. O presidente da Assembleia e autor do projeto, André Ceciliano (PT), se reuniu virtualmente com o Colégio de Líderes e os parlamentares decidiram recomendar ao governador Cláudio Castro o veto à troca de nome.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) também já havia recomendado ao governador, no último dia 19, que vetasse a projeto da Alerj, com base no Decreto Municipal de 2012, segundo o qual o Maracanã está integrado à identidade cultural carioca.

O nome oficial do Maracanã é uma homenagem ao jornalista Mário Leite Rodrigues Filho, que coordenou a campanha pela construção do estádio, no final dos anos 40. Mário Filho travou uma batalha na imprensa contra o então vereador Carlos Lacerda, que desejava a construção de um estádio municipal em Jacarepaguá para a realização da Copa do Mundo de 1950. O jornalista conseguiu convencer a opinião pública carioca de que o melhor lugar para o novo estádio seria no terreno do antigo Derby Club, no bairro do Maracanã, e que ele deveria ser o maior do mundo, com capacidade para mais de 150 mil espectadores. O estádio, que sediou a primeira Copa do Mundo no país foi inaugurado em 16 de junho de 1950.

Nascido em Recife, em 3 de junho de 1908, Mario Filho fez carreira no Rio de Janeiro, onde morreu aos 56 anos, após um ataque cardíaco. Irmão do dramaturgo e escritor Nelson Rodrigues, Mário Filho escrevia no Jornal do Sports, de sua propriedade.

Notícias Relacionadas