Greve de caminhoneiros afeta transporte público. Viação Nossa Senhora do Amparo garante o funcionamento de todas as linhas nesta quarta-feira (23)

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Rio de Janeiro (Fetranspor) informou nesta terça-feira (22/5) que a greve nacional dos caminhoneiros, que está no segundo dia, está afetando diretamente o abastecimento de óleo diesel dos ônibus em todo o estado. De acordo com a entidade, a operação em algumas linhas de ônibus na capital já ocorre de forma limitada, afetando o transporte de passageiros.

“O bloqueio montado em rodovias e terminais de distribuição de combustíveis impede a renovação dos estoques das empresas, que na maioria dos casos acontece diariamente. O racionamento de combustível é uma medida adotada em caráter emergencial até a normalização da distribuição de óleo diesel, que depende do fim das manifestações. Se isso não ocorrer brevemente, há o risco de paralisação de todas as empresas”, diz a nota divulgada pela entidade.

O ErreJota Notícias entrou em contato com a Viação Nossa Senhora do Amparo que informou que está mantida a operação normal de suas linhas nesta quarta-feira (23), ou seja, quem depende do transporte para Niterói, Rio ou para Maricá não terá o serviço afetado. No entanto, a empresa vê com preocupação o desabastecimento que poderá afetar o atendimento de todas as linhas nos próximos dias, caso a greve dos caminhoneiros continue.

A Fetranspor afirmou ainda que as oscilações do preço combustível também preocupa os operadores do transporte público. “Nos últimos 15 meses, a variação do preço do combustível chegou próximo a 20%, o que vem pressionando os custos operacionais do setor de ônibus”, finaliza.

O Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio de Janeiro (Rio Ônibus) se posicionou na mesma linha e anunciou uma racionalização da operação já a partir de amanhã (23), diante da iminente de falta de combustível. “Os consórcios estão demandando todos os esforços para que a população não seja prejudicada e a operação seja mantida pelo máximo de tempo possível”. Segundo a Rio Ônibus, as empresas têm um consumo médio de 764 mil litros de combustível por dia e há risco de paralisação total das operações.

Paralisação na RJ-106

Nesta terça-feira (22), vários caminhões permaneceram durante todo o dia parados nos dois sentidos da pista da RJ-106 na altura do Cala Boca, na divisa entre Maricá e São Gonçalo. Os motoristas protestam contra os constantes aumentos do diesel. A paralisação faz parte da greve nacional dos caminhoneiros. 

O que diz o governo

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, anunciou nesta terça-feira (22) no Palácio do Planalto que o governo eliminará o tributo que incide sobre o diesel e acabará em 2020 com a desoneração da folha de pagamentos em todos os setores.

Segundo Guardia, o governo fechou um acordo com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), para eliminar a cide e, paralelamente a isso, o Congresso aprovará o projeto de reoneração da folha.

Se o projeto de reoneração for aprovado, o Legislativo fará, na prática, que haja aumento nas receitas da União, que, em troca, cortará o tributo incidente sobre o diesel.

Segundo a assessoria do Ministério da Fazenda,a arrecadação anual com a Cide sobre o diesel é de cerca de R$ 2,5 bilhões.

Ainda segundo a pasta, a alíquota atual da Cide sobre o diesel é inferior R$ 0,05 por litro

Notícias Relacionadas