Idosa atingida por bala perdida dentro do hospital pode ficar cega

Reprodução/Google Maps

Reprodução/Google Maps

A violência no Rio de Janeiro não dá trégua nem para os doentes. Internada no Hospital Santa Martha, em Santa Rosa, Niterói, desde o último dia 23, a idosa Leda Maria Castro dos Reis, de 61 anos, pode perder a visão do olho direito. A paciente foi atingida na cabeça por uma bala perdida dentro da unidade de saúde, na madrugada do último sábado (11/08), durante uma troca de tiros entre a polícia e traficantes dos morros do entorno do hospital.

Ao longo de ontem, ela permaneceu com a bala alojada na cabeça, enquanto aguardava resultados de exames para que os médicos decidissem pela realização da cirurgia da retirada do projétil

De acordo com investigações iniciais, a idosa foi atingida durante um confronto entre traficantes do morro Souza Soares e policiais militares do 12ºBPM (Niterói), que foram à comunidade para impedir a realização de um baile funk, que acontecia na Rua Mário Vianna, principal via de Santa Rosa e um dos acessos ao morro Souza Soares.

Segundo familiares, a paciente estava deitada em seu leito, no quarto 306, quando foi atingida pelo disparo, que atravessou a esquadria da janela e chegou a quebrar os óculos da paciente. No momento da fatalidade, Leda estava acompanhada da filha, que se desesperou ao ver a cena.

“Minha irmã não ficou ferida, mas está muito abalada ao ver o que aconteceu com nossa mãe. Ela estava em pé, uns quinze minutos antes do fato, mas quando foi atingida já estava deitada”, contou o filho da vítima, que chegou na unidade de saúde por volta das seis da manhã e ainda escutou o som do baile funk, que voltou a acontecer depois da saída dos militares.

Leda foi ao hospital tratar um problema na região da vesícula. A idosa também se recupera de uma cirurgia realizada na coluna. Contudo, apesar da perda de visão, a paciente está lúcida, conforme informações da família. Em nota, a assessoria de imprensa da unidade informou que a paciente se encontra em observação.

Localizada entre as comunidades da Souza Soares, Zulu e Vital Brasil, a unidade de saúde já foi alvo da violência dos criminosos outras vezes. No início do ano, uma bala perdida atingiu uma janela da unidade. Em 2016, o tiro atingiu a parede do setor de ultrassonografia. Nos casos anteriores, ninguém ficou ferido.

Notícias Relacionadas