spot_imgspot_img

Leia a nossa última edição #72

spot_img
spot_imgspot_img

Imunana-Laranjal volta a produzir água; abastecimento é retomado

spot_imgspot_img

Mais lidas

O caos causado pela interrupção na produção de água no Sistema Imunana-Laranjal, que abastece Niterói, São Gonçalo e parte de Maricá, está perto do fim. O sistema voltou a captar e tratar água na noite desta sexta (05).

A produção na Estação de Tratamento chegou a 100% na madrugada deste sábado. A distribuição da água até os consumidores finais será feita pela concessionária Águas do Rio, que atende a região.

“Após um intenso trabalho da força-tarefa, o sistema Imunana-Laranjal voltou a produzir água tratada. É um alívio para os moradores atendidos por esse sistema. Parabenizo os órgãos de saneamento e ambientais do governo que se empenharam ao máximo para preservar a saúde da população e buscar uma solução rápida”, disse o governador Cláudio Castro.

O Sistema Imunana-Laranjal é responsável pelo abastecimento de cerca de 2 milhões de pessoas em Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, parte de Maricá (Inoã e Itaipuaçu) e na Ilha de Paquetá. A operação foi interrompida na última quarta (03), quando foi identificada a substância química tolueno no canal de Imunana, onde é feita a captação de água.

Uma força-tarefa foi montada para fazer isolamento e sucção do composto químico tolueno na região onde é feita a captação de água. Até o fim do dia já haviam sido retirados 160 mil litros de água com o produto dos canais às margens do Rio Guapiaçu, em Guapimirim.

A mobilização envolveu as secretarias de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, da Polícia Civil, da Polícia Militar, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), a Cedae, a Petrobras e as concessionárias Águas do Brasil e Águas do Rio.

No fim da noite, os exames que vinham sendo realizados pelo Laboratório Biológico de Rastreamento Ambiental (Libra) a cada uma hora, desde que foi constatada a contaminação, mostraram que a água atingiu os parâmetros de potabilidade adequados para consumo humano.

Os níveis de tolueno, que chegaram a 59 microgramas por litro, foram reduzidos para o nível aceitável – até 30 microgramas por litro – após medidas de contenção realizada pelos técnicos da força-tarefa.

Depois disso, as amostras ainda passaram pelo crivo dos sommeliers, técnicos especializados em avaliar a qualidade da água. Tanto os testes do Libra quanto as análises do sommeliers serão mantidas ao longo de toda a madrugada de sábado.

O governo continua investigando a origem da contaminação. A Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) abriu inquérito para apurar os responsáveis pela presença do poluente na água.

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Últimas notícias

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img