Itaipuaçu: sem registros, mancha criminal é inexistente

É comum observar dentro dos grupos da cidade de Maricá, principalmente em Itaipuaçu, mensagens relativas a crimes praticados no bairro. Quem recebe um texto desse, percebe que algo está errado e logo aponta para o crescimento da violência, cobrando das autoridades responsáveis medidas mais enérgicas. Mas, o grande problema enfrentado pelas polícias Civil e Militar é que grande parte dos casos relatados através das redes sociais não são registrados na delegacia da cidade, tornando a mancha criminal inexistente.

Dois casos mais recentes circularam pelos grupos. O primeiro relatava que criminosos armados teriam realizado uma tentativa de arrastão na primeira entrada de Itaipuaçu, em Inoã, o que não foi confirmado ou não teve chamado pela 6ª Cia de Maricá e também pelo Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv). O segundo seria a atuação de uma dupla em um carro, Siena, que roubava transeuntes. Neste caso, a falta de registro policial impossibilita a ação da polícia.

“Só recebemos essas informações. Ainda não veio ninguém à Delegacia para fazer registro”, disse o titular da 82ª DP (Maricá), Júlio Cesar Mulatinho.

Para o comandante Sylvio Guerra do 12º BPM (Niterói), batalhão que também é responsável pelo policiamento na cidade de Maricá, a falta dos registros prejudica as estratégias de combate a criminalidade.

“Essa é uma situação que sempre pedimos a população. É através do registro que fazemos nosso planejamento. Hoje existe a possibilidade para fazer na internet, o mais rápido possível, e que é importante para todos”, disse o comandante.

Reforço – Em virtude da crescente criminalidade que assola o município, vereadores da Câmara Municipal de Maricá pedem, recorrentemente, a implantação de um batalhão policial e o aumento no efetivo policial na cidade. O vereador Fabiano Novaes esteve em reunião com representantes da segurança pública na esfera estadual. No encontro, ele recebeu a informação de que há interesse do Governo do Estado em aumentar o número de policiais que prestam o serviço policial na cidade por meio do Regime Adicional de Serviço (Ras) e que as viaturas que circulam pela cidade serão trocadas por novas. Além disso, será realizado o policiamento também por “motopatrulha” em todo o município.

O presidente da Câmara, Aldair de Linda (PT), também falou sobre segurança. Ele solicitou mais fiscalização da PM e da Secretaria Municipal de Ordem Pública no quarto distrito durante o verão, pois cresce o número de crianças e adolescentes que dirigem na localidade, principalmente próximo às praias.

Notícias Relacionadas