Rio de Janeiro,

sábado, setembro 25, 2021
spot_imgspot_img

Leia a nossa última edição #40

Marcelo Freixo deixa PSOL e deve disputar Governo do Estado

Mais lidas

O deputado federal Marcelo Freixo anunciou, nesta sexta (11), a desfiliação do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), legenda a qual estava filiado desde 2005. Ele deve se filiar ao PSB.

“Mais do que companheiros de luta, as pessoas com quem construí o PSOL são amigos com os quais divido projetos de vida. Hoje, encerro esse ciclo com a certeza de que apesar de não estarmos no mesmo partido seguiremos na mesma trincheira de defesa da vida, da democracia e dos direitos do povo brasileiro”, publicou Freixo, em nota.

O parlamentar já foi anunciado por um importante quadro de seu partido de destino. O deputado estadual Carlos Minc já havia divulgado no início da semana que Freixo havia acertado a filiação ao partido. “Êxtase! Flávio Dino e Freixo acertam ingresso conjunto no PSB em 15 dias!”, publicou o ex-ministro do Meio Ambiente nas redes sociais.

Freixo muda de partido visando formar uma frente ampla para disputar o Governo do Estado do Rio de Janeiro. No entanto, ele encontrava forte resistência no PSOL, que não lhe permitia costurar apoios fora do campo ideológico da esquerda. Ele é tido como um dos principais nomes para a disputa. Em reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, debateu-se um possível apoio do PT ao nome do ex-psolista, que poderia abrir mão de candidatura própria.

“Os retrocessos institucionais e humanos provocados por Bolsonaro em apenas 2 anos de governo impõem novos desafios à democracia e à atuação do campo progressista. É urgente a ampliação do diálogo e a construção de uma aliança com todas as forças políticas dispostas a somar esforços na luta contra o bolsonarismo”, afirmou Freixo.

Para o deputado, o momento pede diálogo. “É hora de colocarmos nossas divergências em segundo plano para resgatarmos o país do caos e protegermos a vida dos brasileiros. As eleições de 2022 serão um plebiscito sobre se a Constituição de 1988 ainda valerá no Brasil. Por isso nós democratas não temos o direito de errar: do outro lado está a barbárie da fome, morte e devastação”, disse. ⠀

“Seguirei me dedicando à construção de pontes, reafirmando o valor do diálogo e o papel da política como meio de resolvermos pacificamente os problemas do país. Nosso dever histórico é derrotar Bolsonaro nas urnas e o bolsonarismo enquanto projeto de sociedade. Sei que o PSOL e eu estaremos do mesmo lado para cumprir essa tarefa”, concluiu Marcelo Freixo.

spot_img
spot_img

Últimas noticias