Maricá oferece central de armazenamento para vacina Pfizer

© REUTERS/Dado Ruvic/Direitos Reservados

O Estado do Rio de Janeiro recebe, nesta sexta-feira (30), 49 mil doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19, e apenas duas cidades, Maricá e Nova Iguaçu, possuem equipamentos capazes de armazenar esse imunizante, que exige uma temperatura entre -25º e -15º.

Em Maricá, a Prefeitura finalizou a implantação da Central da Rede de Frio, do Núcleo Municipal de Imunização Dr. Heitor da Costa Matta, onde foram instaladas cerca de 7 câmaras refrigeradoras e 2 freezers científicos com capacidade de manter temperaturas de – 15 ºC a – 35 ºC. Por este motivo, o município se ofereceu para conservar o imunizante.

O núcleo conta, ainda, com gerador e nobreaks (equipamento que garante o fornecimento de energia elétrica por baterias por até 12 horas) para dar suporte de segurança em eventuais quedas de luz. As câmaras também têm um sistema de autonomia de suporte de segurança.

No último dia 20 de abril, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) atualizou as exigências de armazenamento da vacina da Pfizer, flexibilizando a temperatura de conservação das doses. Anteriormente, as doses do imunizante precisavam ser armazenadas em temperaturas entre 90º e -60º, e com a medida agora as doses podem ser guardadas em temperaturas entre -25º e -15º, por um período de até duas semanas.

Se retirada do congelador, os recipientes podem ser armazenados por até cinco dias nas temperaturas entre 2º e 8º. Estudos da Anvisa mostraram que a flexibilização da temperatura de conservação não prejudica a estabilidade do medicamento. O imunizante foi nomeado como Comirnaty e teve registro definitivo obtido junto à Anvisa em fevereiro deste ano.

Notícias Relacionadas