Moradores reclamam de falta de coleta de lixo no Barroco, Itaipuaçu

Fotos: Divulgação

Problema recorrente; moradores da região do Barroco, em Itaipuaçu, reclamam de irregularidade no serviço de coleta de lixo nas ruas do bairro. Moradores da localidade afirmam que vetores já começam a ser percebidos pelo local.

“Tem muita mosca por conta do mau cheiro que tomou conta da rua. A coleta aqui não é realizada há, pelo menos, duas semanas”, contou um morador da Rua das Bougainvilles, no Barroco.

Além de insetos, que já se proliferam no local, os moradores tem medo que outros animais apareçam no local. “Se continuar como está, daqui a pouco vai aparecer rato por aqui”, disse o munícipe.

Em nota, a Prefeitura de Maricá disse que “a coleta de lixo tem sido feita sistematicamente naquela região”, e que enviará um fiscal para verificar se há algum um problema pontual no serviço.

LIXO NA RESTINGA-  Na última semana,  o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) realizou uma ação de limpeza no interior da Área de Proteção Ambiental (APA) Estadual de Maricá. A atividade mobilizou a equipe da APA e servidores da prefeitura, que recolheram, em apenas um dia, 35 toneladas de lixo da unidade de conservação para destinação ambientalmente adequada.

Devido a deficiência na coleta de lixo da cidade, moradores utilizaram a área da Restinga de Maricá, área de preservação ambiental, como depósito irregular de lixo.

Regularmente o Inea promove fiscalizações e mutirões com o objetivo de combater irregularidades ambientais e, até o fim do ano, o órgão realizará outro mutirão para a retirada de resíduos na APA Estadual de Maricá. Em ações anteriores, em junho e agosto deste ano, o instituto recolheu 20 toneladas de resíduos na unidade de conservação.

Com 970 hectares de área, a APA Estadual de Maricá abrange o sistema lagunar do município de Maricá, parte da Restinga de Maricá e a totalidade da Ilha do Cardoso.

Notícias Relacionadas