Mumbuca Futuro: mais do que uma bolsa de estudos

A quadra do CEM Joana Benedicta Rangel recebeu, na manhã desta quinta-feira (07), a cerimônia de entrega dos cartões do programa Mumbuca Futuro à alunos do 9° ano da rede municipal de ensino. O fomento ao empreendedorismo solidário e a responsabilidade financeira foram colocados como os pontos-chaves do projeto.

O Mumbuca Futuro tem como principal objetivo, inserir e estimular os estudantes para o mercado de trabalho, por meio do incentivo constante aos estudos e ao empreendedorismo, com ênfase no cooperativismo e/ou associativismo, a partir dos princípios da economia solidária e da agroecologia. No contra-turno escolar, os alunos participam de aulas de economia solidária, empreendedorismo, cooperativismo, agroecologia, soberania alimentar, comércio justo, consumo responsável e finanças solidárias.

“O mundo mudou e há preocupações novas na sociedade sobre consumo, meio ambiente, sobre relações de trabalho. O mundo vai aceleradamente para o mundo digital e a gente precisa construir senso crítico sobre isso, de como é que a gente faz e vive todas essas transformações tendo na juventude uma capacidade de ser solidária, de ser ambientalmente responsável, de ser cooperativa do ponto de vista do trabalho”, analisou o prefeito Fabiano Horta.

Para Fabiano, esse senso crítico será construído justamente durante as aulas do programa, “Esse programa tem a essência de fazer com que esse senso crítico seja construído e essa garotada possa, desenvolvendo no contra-turno um conjunto de disciplinas que vão ajudar a formar esse senso crítico e essa dimensão do mundo, que pode ser mais igual, com conceitos mais racionais, mais conscientes”, pontuou.

O secretário de Economia Solidária, Diego Zeidan, reforçou a fé em um futuro melhor da juventude. “Acredito que cabe sempre às gerações futuras, aos mais novos, levar adiante o sonho de construção de um mundo melhor. É, um pouco, o que esse programa tenta fazer, trazer para os alunos da rede municipal que cabe a eles mudar e construir um novo futuro, um novo mundo. E, claro, com responsabilidade financeira, com responsabilidade sobre as ações que a gente tem e sobre como essas ações impactam no meio em que a gente vive”, disse.

O programa estabelece o pagamento de dois benefícios: créditos de 50 Mumbucas (equivalente a R$ 50) por mês, para ajudar na compra de livros e material escolar; e o depósito de R$ 1.200 a cada ano cursado no ensino fundamental e médio, ambos condicionados à aprovação e frequência escolar de 75% nas aulas do programa e nas aulas regulares.

Esse último benefício só poderá ser utilizado para custear o ensino universitário ou para a implantação do próprio negócio, possibilitando ao futuro empreendedor adquirir produtos ou serviços fora da cidade.

“A gente acredita que essa entrega do cartão, esse continuar do projeto, vai fazer uma diferença muito grande não só nas escolas, mas também no movimento estudantil também. O interessante é essa parceria: é uma tríade, Economia Solidária, Educação e movimento estudantil. Esse é o caminho para a mudança, que está chegando cada vez mais rápida”, acredita a secretária de Educação Adriana Costa.

A presidente da União Maricaense dos Estudantes, Yeza Aguiar, o pagamento dos R$ 50 vai muito além de um incentivo. “Para a gente, que está na ponta, todos os dias nas escolas, esse programa representa comida dentro de casa, café da manhã, a possibilidade de comprar livros, a possibilidade da galera ter uma perspectiva, de sonhar em ter um empreendimento”, relatou.

Notícias Relacionadas