Museu do Ingá disputa prêmio internacional

A sala “Experiências do Olhar”, do Museu do Ingá, em Niterói, é um dos três projetos brasileiros selecionados na categoria 1 (projetos concluídos ou em fase de execução), dentre os 28 inscritos, para a disputa do “10º Prêmio Ibermuseus de Educação”. Inaugurada em maio deste ano, a Sala ‘Experiências do Olhar’ foi classificada em primeiro lugar e irá concorrer com 64 projetos educativos de 14 países. O Museu do Ingá é um equipamento da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa.

O primeiro lugar terá direito a US$ 15 mil, com resultado previsto para o dia 31 de dezembro de 2019. O segundo lugar ganhará US$ 7 mil e, o terceiro, US$ 3 mil. Os cinco vencedores da Categoria II (novos projetos) receberão US$ 10 mil, cada. No total, serão distribuídos US$ 75 mil para oito vencedores. O prêmio Ibermuseus é destinado ao reconhecimento e promoção de projetos educacionais em museus de língua portuguesa e espanhola. Visa, também, incentivar o papel dos museus como agentes de transformação social e sua contribuição para o desenvolvimento sociocultural e econômico das comunidades onde estão inseridos. Todos os projetos serão integrados ao Banco Ibermuseus de Boas Práticas.

O Ibermuseus é o principal programa de cooperação para os museus da Ibero-América, que tem por objetivo promover o fortalecimento dos mais de nove mil museus existentes na região.

Sobre o projeto da sala ‘Experiências do Olhar’

A sala “Experiências do Olhar”, um programa contínuo de experimentação multissensorial do Museu do Ingá, foi concebida para atender a todos os públicos, sendo dirigida principalmente às pessoas com perda parcial e total de visão – estima-se que o Brasil possui 6,5 milhões de pessoas com algum grau de deficiência visual, sendo cegas aproximadamente 10%.

O objetivo do programa é ampliar o acesso ao acervo desta instituição, que possui mais de nove mil obras. Para além de democratizar o acesso, a sala é um convite aos visitantes a experimentar as variadas formas de interação com a obra.

A tela escolhida para abrir a mostra foi “Visão Carioca”, painel de oito metros de comprimento criado pelo pintor Cícero Dias, em 1965. Para compor a ambientação sensorial, o Programa Educativo do Museu do Ingá convidou o projeto SESC+ Infância/Niterói, que reuniu 20 crianças e pediu a elas que registrassem os sons, cheiros e toques que a tela provocava em cada uma delas.

O projeto também contou com a parceira de engenheiros do Coppe UFRJ, que se juntaram à iniciativa da Superintendência de Museus, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e Funarj, desenvolvendo, através da tecnologia assistiva, estímulos sonoros e olfativos como sons de pássaros, riachos, cheiros de café, flores e terra molhada que traduzem a pintura de uma paisagem carioca.

Para conhecer – e torcer – pela sala, o Museu do Ingá está aberto de terça a sábado, das 12h às 17h. Visitas mediadas (com os olhos vendados) precisam de agendamento, feito pelo telefone 2717-2893 ou pelo e-mail museudoingaeducativo@gmail.com

 

Notícias Relacionadas