Presidentes de subseções da OAB pedem imunização de advogados

Vacinação Foto: Ascom Itaboraí/Divulgação

Presidentes das subseções da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro, confeccionaram uma carta de intenções para que sejam adquiridas doses da vacina contra a Covid-19 para realizar a imunização dos advogados.

De acordo com o documento endereçado ao Conselho Federal da Ordem dos Advogados, a Caixa de Assistência aos Advogados do Brasil, ao Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro e a Caixa de Assistência a Advocacia do Rio de Janeiro, a intenção não é ‘furar fila’.

Segundo a justificativa, os relatos de que todos os dias os advogados acabam se expondo aos perigos do contágio, já que sua maioria não pode permanecer somente no Home Office, pois não possuem salário fixo, e acabam por realizar diligências judiciais e extrajudiciais.

Outra questão abordada no documento é que a aquisição de vacinas por empresas e instituições desoneraria o Estado e aceleraria o processo de vacinação em massa, evitando gasto do poder público.

Para Eduardo Carlos, Presidente da 38º Subseção da OAB/Maricá, a reivindicação é necessária ao observar que diariamente os profissionais estão nas ruas lutando para que nenhum cidadão deixe de ter seus direitos apreciados pelo estado.

“Somos sabedores de que todas as vidas importam e que a nossa constituição assegura direitos iguais para todos e todas. No entanto, a mesma constituição expressa que a advocacia é essencial à administração da justiça. Nesse sentido, ainda que sabedores da complexidade do caso, faz-se necessária uma reivindicação em prol da saúde dos profissionais que lutam diariamente para que nenhum cidadão deixe de ter seus direitos apreciados pelo estado. Advogados e advogadas trabalham para além das paredes de seus escritórios. São trabalhadores que atuam nas ruas, nos fóruns, nas repartições públicas e privadas. Deixar essa parcela da classe trabalhadora, que inclusive é indispensável para assegurar os direitos de todos os outros trabalhadores, sem a devida assistência, sem a vacina é atentar contra a constituição e contra a justiça. Portanto, é imperiosa a necessidade de se atender como grupo prioritário a classe dos advogados para serem vacinados contra a Covid. Esperamos, por fim, que este cenário passe logo e que consigamos, à luz da ciência, salvar o maior número possível de cidadãos”, disse.

Notícias Relacionadas