Parceria irá garantir segurança da navegação e tráfego aquaviário na Baía de Guanabara

Um acordo de Cooperação Técnica (ACT) entre a Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) com as Universidades Federais de Rio Grande (FURG) e do Rio de Janeiro (UFRJ), permitirá o compartilhamento do uso de equipamentos e de informações meteo-oceanográficas de interesse comum, no âmbito dos Portos do Rio de Janeiro e de Niterói.

O objetivo da parceria é aprimorar a consciência situacional marítima, a segurança da navegação e a gestão do tráfego aquaviário. Por meio desse ACT, a Autoridade Portuária terá acesso, de forma imediata e confiável, a dados meteorológicos e hidrológicos na Baía da Guanabara devidamente atualizados a cada 30 minutos.

Como será feito o monitoramento?

O intercâmbio de dados ocorrerá entre o Sistema de Monitoramento da Costa Brasileira (SiMCosta), sob coordenação da FURG com auxílio local de equipe da UFRJ, e o Subsistema de Monitoramento Ambiental (SMA), parte integrante do VTMIS (sigla inglesa para o Sistema de Gerenciamento e Informação do Tráfego de Embarcações), em processo de implementação pela CDRJ nesses portos.

Segundo o Gestor de VTMIS dos Portos do Rio de Janeiro e de Niterói, Marcelo Villas-Bôas, a ideia do acordo surgiu em razão do interesse público e da vantagem econômica decorrentes da implantação integrada dos dois sistemas.

“Ambos têm por finalidade aprimorar a consciência situacional marítima, a segurança da navegação e a gestão do tráfego aquaviário, atendendo aos respectivos objetivos institucionais e atribuições legais dos partícipes”, explicou.

Por meio desse ACT, a Autoridade Portuária terá acesso, de forma imediata e confiável, a dados meteorológicos e hidrológicos na Baía da Guanabara devidamente atualizados a cada 30 minutos. À curto prazo, a CDRJ compartilhará, com o SiMCosta, informações de mesma natureza geradas pela boia meteo-oceanográfica do VTMIS, que se pretende fundear nas proximidades da Ilha do Pai.

As informações produzidas pelas boias meteo-oceanográficas do SiMCosta, fundeadas na Baia da Guanabara (RJ-3 e RJ-4), são empregadas como base de dados para o software de calado dinâmico ReDraft®, da empresa Argonáutica Engenharia e Pesquisas, hoje utilizado pelas Praticagens do RJ e de SP para o cálculo da folga sob a quilha dos navios em tempo real. O processo de homologação desse software está em curso no Grupo de Trabalho (GT), sob coordenação da CDRJ, para estudar melhorias na acessibilidade aquaviária e que conta com a participação de representantes da Marinha do Brasil (MB), da Praticagem-RJ, bem como de terminais arrendados do Porto do Rio de Janeiro (ICTSI-Rio, Multi e Triunfo).

O prazo de vigência do ACT é de 36 meses, podendo, por interesse dos partícipes, ser prorrogado por períodos iguais e sucessivos de modo a alcançar e manter as metas traçadas no Plano de Trabalho.

 

Notícias Relacionadas