Prêmio Novos Pesquisadores chega a segunda edição e fomenta a ciência em Maricá

O Cinema Henfil recebeu, na manhã desta segunda-feira (09/07), a abertura do Prêmio Novos Pesquisadores, realizado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Comunicações. Destinado aos alunos do Ensino Fundamental, Médio e do sistema EJA (Educação de Jovens e Adultos) das redes pública e particular do município, o projeto baseia-se na elaboração de artigos científicos sobre Maricá que serão analisados pelo professor-orientador.

Durante o evento estiveram presentes autoridades municipais e representantes de escolas municipais, estaduais e particulares e do Instituto Federal Fluminense. Dois palestrantes – Paulo Viana, biólogo marinho da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (FIPERJ) e Tatiana Muylaert, professora de Português e doutoranda em Linguística pela UERJ – também estiveram presentes e comentaram aos estudantes presentes as suas experiências no mundo acadêmico.

Segundo o secretário de Ciência, Tecnologia e Comunicações Sérgio Mesquita, o projeto tem atraído olhares de grandes instituições. “A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) tomou interesse pelo projeto, quer fazer parceria conosco, todas as universidades em que a gente conversa sobre o Novos Pesquisadores parabenizam… O projeto, em si, vai além do município. A ideia é incentivar a busca pelo conhecimento. É esse gostinho pela pesquisa que queremos que fiquem na cabeça desses alunos”, comentou.

A novidade desta edição é que os 10 primeiros colocados de cada categoria vão fazer uma apresentação para a banca julgadora composta por professores do Instituto Federal Fluminense (IFF) e da Secretaria de Educação, além dos profissionais da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Comunicações. A pontuação será definida pelo resultado da nota dos trabalhos elaborados somada à apresentação dos alunos do 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino Médio diante do corpo docente. Após esta etapa, os três finalistas de cada categoria serão premiados com notebook.

Cada estudante poderá escrever somente um artigo que deve conter entre 8 e 12 páginas. Até o momento, foram feitas 79 inscrições – mais que o dobro das feitas no ano passado (35 participações). O número de escolas particulares participantes também cresceu; passou de uma para três escolas. O secretário Sérgio Mesquita também adiantou algumas mudanças para 2019; o Prêmio deve ser ampliado e bolsas de estudo da FAPERJ devem ser concedidas para os vencedores.

Notícias Relacionadas