spot_imgspot_img

Leia a nossa última edição #72

spot_img
spot_imgspot_img

Senac de Niterói fecha para ação do “Dia S”

spot_imgspot_img

Mais lidas

Na última terça-feira (16/05) foram realizados atos públicos simultâneos em várias cidades do Brasil, em defesa do Serviço Social do Comércio (Sesc) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). Uma medida de corte de recursos foi aprovada na Câmara dos Deputados, por meio dos artigos 11 e 12, inseridos no Projeto de Lei de Conversão (PLV) 09/2023, e será votada no Senado Federal nesta quarta-feira (17/05).

O Dia S, como está sendo chamado, reuniu colaboradores do Sistema Comércio, em uma grande manifestação de apoio. Funcionários do Senac Niterói participaram do ato.

Um dos principais objetivos desses atos públicos foi coletar assinaturas para um abaixo-assinado contra o desvio de 5% dos recursos do Sesc e do Senac para a Embratur. O documento já conta com 500 mil adesões.

Caso essa decisão entre em vigor, mais de 100 cidades brasileiras correm o risco de encerrar as atividades do Sesc e do Senac, além de perderem um investimento de mais de R$ 260 milhões em atendimentos gratuitos. Isso inclui exames clínicos e odontológicos, entre outros serviços essenciais. Além disso, mais de 3,6 mil trabalhadores podem ser demitidos, 2,6 milhões de quilos de alimentos distribuídos pelo Programa Mesa Brasil podem deixar de ser entregues e mais de 7,7 mil matrículas em educação básica e 31 mil em ensino profissionalizante podem ser fechadas.

Esses cortes também afetarão o setor do turismo, uma vez que o Sesc oferece passeios e viagens a preços acessíveis por meio do programa de Turismo Social. Esse projeto, que é uma referência na América Latina, estimula o desenvolvimento do setor em diversas localidades do país, muitas delas dependentes desse programa para a movimentação turística.

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que defende a promoção do turismo brasileiro há mais de 75 anos, destaca a contradição de retirar recursos da assistência social para a população enquanto o país abre mão de R$ 2,5 bilhões por ano ao exigir visto para turistas dos Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália.

*estagiária sob supervisão de Raquel Morais

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Últimas notícias

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img
spot_imgspot_img