Rio de Janeiro,

sexta-feira, setembro 17, 2021
spot_imgspot_img

Leia a nossa última edição #40

Setrerj solicita que obras na RJ-104 aconteçam no período da noite

Mais lidas

As obras de recuperação da RJ-104 (Rodovia Amaral Peixoto), em São Gonçalo, engarrafamentos constantes, que refletem até no trânsito da Ponte Rio-Niterói, atingindo milhares de passageiros de ônibus que tem atrasos em até 3 horas em viagens em ônibus municipais e intermunicipais. Circulam pela via, diariamente, cerca de 59 mil veículos. O Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj) pede que as obras aconteçam no período da noite.

Estudo realizado pelo Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj) revela que a origem dos engarrafamentos está nas obras de recapeamento da RJ-104, no trecho do Viaduto do Colubandê até à entrada do bairro de Maria Paula. Técnicos do Setrerj, que estiveram no local, registraram a extensão dos congestionamentos e os danos provocados pelo trânsito paralisado em vários horários do dia.

A pesquisa foi encaminhada pelo Setrerj ao Departamento de Estradas de Rodagem do Rio de Janeiro (DER-RJ), responsável pelas obras, anexada a um ofício no qual a entidade reconhece a importância da reestruturação da malha viária do Estado, mas pede que os trabalhos sejam realizados no período noturno, principalmente durante a madrugada, quando o tráfego de veículos é notoriamente menor.

Os especialistas constataram, por exemplo, que o tempo médio de deslocamento do total de ônibus da linha 7721-D (Castelo/Rio-Santa Isabel/SG), entre 17h e 21h38, chega a 4h20m; o da 124-M (Niterói-Itaboraí), 4h18; e o da 511-Q (Imbariê-Niterói), 4h05.

Nos horários das 9h às 21h, os veículos, que operam na linha 1721-D (Alcântara/SG-Candelária-Rio), com as obras, perderam nos congestionamentos 6h27 de tempo médio de viagem; e os da 484M (Alcântara-Niterói), 5h14.

Somente a empresa Fagundes, com as linhas 484-M (Alcântara-Niterói), 549-M (Santa Isabel-Niterói), 549MS (Sacramento-Niterói), 1721-D (Alcântara-Candelária), 572M (Jardim Catarina-Niterói), 3721-D (Alcântara-Botafogo/Rio), deixou de realizar, em apenas um dia, 203 viagens, em consequência dos atrasos dos coletivos parados nos congestionamentos, prejudicando cerca de 10 mil passageiros.

“Entendemos a vitalidade dessa obra e os benefícios que ela trará a todos os usuários da rodovia, principalmente aos passageiros de transportes coletivos, mas ela precisa ser feita em um horário, que evite os transtornos dos congestionamentos e todos os danos que eles causam, como, por exemplo, atrasos de até 3 horas nas viagens de ônibus”, explica o presidente do Setrerj, Márcio Barbosa, que também encaminhou o documento aos órgãos de trânsito de Niterói e São Gonçalo, além do comando do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv), da Polícia Militar (PM).

De acordo com o executivo do Setrerj, é fundamental a participação dos órgãos municipais de trânsito e da PM para a solução do problema.

“Essas obras, que estão sendo tocadas unicamente pelo DER-RJ, também precisam da coordenação desses órgãos ao longo de todo seu curso”, conclui Márcio Barbosa.

spot_img
spot_img

Últimas noticias