Rio de Janeiro,

segunda-feira, setembro 20, 2021
spot_imgspot_img

Leia a nossa última edição #40

Supermercados e farmácias lideram ranking das denúncias no Procon

Mais lidas

Desde o início de março, a Diretoria de Fiscalização do Procon Estadual do Rio de Janeiro recebeu 427 denúncias contra supermercados e 382 contra farmácias. Entre as reclamações apuradas no período da Pandemia estão o aumento abusivo de preços de alimentos e álcool em gel.

De acordo com o Procon, 318 denúncias recebidas estão relacionadas ao aumento abusivo de alimentos e do preço do álcool em gel. Outras 109 denúncias são de alimentos fora da validade ou impróprios para consumo, problemas estruturais, divergência de preço entre a gôndola e o caixa, falta de acessibilidade, dentre outros.

Foram realizadas no mesmo período, 262 fiscalizações, lavrando-se 37 autos de constatação e 25 autos de infração, além de 200 procedimentos em face de distribuidores através de notificações para apresentação de documentos.

Nesta última quinta-feira (04) nove supermercados localizados nas Zonas Sul e Oeste da cidade do Rio e em Niterói e São Gonçalo foram vistoriados. Destes, seis foram autuados e 68kg e 390g de produtos vencidos foram descartados. Os fiscais também verificaram irregularidades na manipulação e armazenamento de alimentos, problemas estruturais, preços cobrados pelas das sacolas descartáveis e condições de prevenção da Covid-19.

Além de todos estes problemas, a equipe do Procon-RJ também esteve atenta às condições de higiene e distanciamento para a prevenção da propagação do coronavírus.

Em todos os mercados visitados a fiscalização não conseguiu traçar um comparativo entre os preços praticados atualmente e aqueles praticados antes da pandemia por ausência de documentação pertinente. Os responsáveis terão 48 horas para enviar as notas fiscais de compra e venda dos produtos, a partir de janeiro de 2020, para a análise e comparação com os preços praticados atualmente.

spot_img
spot_img

Últimas noticias