UPA em Maricá completa 5 anos de funcionamento e é resistência no Estado

Secretários, vereadores e funcionários da Saúde em Maricá participaram, na manhã desta quarta-feira (0/9) de um ato em comemoração aos cinco anos de instalação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Inoã. A cerimônia também foi um registro de resistência do municipio que arca com todas as despesas da unidade há quase quatro anos. No evento, o Secretário Geral e de Governo, Renato Machado, anunciou o resultado de uma pesquisa onde a saúde do município é citada positivamente pela primeira vez pela população.

“O estado nos abandonou, mas Fabiano, assim como Quaquá, tem dado prioridade à Saúde, mantendo a unidade com recursos próprios num momento em que várias delas fecham as portas ou reduzem o horário de atendimento de 24h para 12h. Aqui, fazemos o contrário, ampliamos, colocamos ambulância nova, contratamos vigia e segurança”, declarou Renato. Desde sua inauguração, o estado não cumpriu o convênio tripartite que define a gestão desse tipo de unidade. Com isso, o município é obrigado a arcar com todos os custos. A conta que o Estado deixou de pagar já chega a R$ 12 milhões.

A secretária de Saúde, Simone Costa contou que participou de um evento em Brasília onde todos queriam devolver as UPAs de suas cidades por não terem condições de mantê-las. “Aqui, o atendimento pode até demorar de acordo com a classificação de risco, mas restringir ou dizer que tem só um médico não vai acontecer, porque esse é o modelo de gestão que nós defendemos. Somos uma equipe da Saúde”, garantiu, agradecendo o apoio dos vereadores e ressaltando que, apesar de ser um espaço menor, a UPA é tão importante quanto o hospital. “A UPA é menor apenas em tamanho, mas em urgência é igual”, frisou.

O vice-prefeito, Marcos Ribeiro (PT), relembrou que poderia ter sido um dos primeiros pacientes da unidade.“Isso aqui salvou a vida de muita gente. Então, valeu à pena todo o esforço que o município fez para manter essa unidade. A UPA não fica em nada atrás do hospital. Ela é preparada exatamente para salvar vidas. Eutive uma história com um princípio de infarto nos dias da inauguração. Eu não podia chegar perto da UPA por questões eleitorais. Acabei sendo atendido no hospital Alberto Torres, pois no momento em que me senti mal estava próximo ao hospital. Mas teria muito orgulho de ser atendido por essa undiade.”, disse o vice-prefeito Marcos Ribeiro.

  Aldair relembrou como foi a construção da unidade

Aldair de Linda, vereador e presidente da Câmara se emocionou ao falar da UPA. Ele explicou que antes de ser implantada em Inoã, teve participação importante na construção, pois o terreno em que está situada a unidade precisava de um trabalho reforçado de terraplanagem. Por iniciativa do vereador toda a terraplanagem do terreno foi feita para a construção da unidade.

“Hoje é aniversário da UPA e também é aniversário de um filho que eu ajudei a construir. O governador Cabral tinha cedido uma UPA para cada município e depois queria tirar a UPA daqui de Maricá porque a contrapartida do município era a terraplanagem da área onde é construída. No meu primeiro mandado o meu salário era R$ 3.500 e a terraplanagem que doei para a UPA custou mais que quatro anos dos meus de salários de vereador. Eles queriam levar a UPA para São Gonçalo. Fiquei muito satisfeito em fazer isso. Minha mãe passou por aqui, meu pai passou por aqui e eu já fui atendido aqui”.

Diretor da UPA desde janeiro, Carlos Augusto Nanci Júnior falou sobre a abrangência dos atendimentos. “Para a comunidade, essa UPA é muito importante porque aqui antigamente não tinha nenhum recurso de Saúde. Nesses cinco anos, o atendimento englobou os moradores de Itaipuaçu, Inoã, Rio do Ouro e adjacências de São Gonçalo, já que por dia, são realizados uma média de 150, de acordo com a época do ano”, pontuou.

A unidade está passando por algumas reformas como pintura, manutenção dos aparelhos de ar-condicionado, revitalização da fachada, troca do piso interno, pavimentação do pátio, entre outros. 

Aos 41 anos, a moradora de Inoã, Simone Cândido contou que, quando passa mal, vai direto para o local.  “Sempre venho aqui e sou muito bem atendida, só tenho elogios. Acho o atendimento melhor, porque sinto o carinho e acolhimento dos profissionais”, confessou. Aos 52 anos, Jorge Luiz, que também é morador do bairro, concordou: “Aqui o atendimento é prático e rápido todas às vezes que eu preciso. Agora mesmo, acabei de ser atendido com muita dor na coluna. Tomei uma injeção e já amenizou a dor que eu estava sentindo. Além disso, estou levando remédio para tomar em casa e encaminhamento para o ortopedista”, concluiu.

Apenas este ano foram realizados no local 41.897 atendimentos de urgência em clínica médica; 14.214 em pediatria, 2.560 em odontologia e 2.273 relacionados ao serviço social. A Unidade de Pronto Atendimento de Maricá foi aberta como sendo do tipo 2, baseado no número de habitantes de 100 a 200 mil, mas acabou reclassificada para o Tipo 3, com capacidade para em torno de 400 atendimentos por dia. Atualmente, o local está recebendo intervenções como a revitalização completa da fachada, a troca do piso interno e a instalação de ar condicionado, além da pintura, para melhorar as condições de trabalho e humanizar o atendimento. A unidade possui raio X e faz exames laboratoriais, além do suporte para a realização de tomografia e transferência auxiliada por assistente social.

Estiveram presentes os vereadores Frank Costa, Marcinho da Construção, Felipe Paiva, Dr. Richard, Marcus Bambam, Bubute, Ismael Breve, Robgol, Rony Peterson, Felipe Auni e Fabrício Bittencourt, além dos secretários Robson Dutra (Turismo), Jorge Castor (Assistência Social), Andréia Cunha (Cultura) e André Casquinha (Transportes)

Notícias Relacionadas