Coletivo Ponte Cultural faz vaquinha pra arrecadar materiais de construção

Os integrantes do Coletivo Ponte Cultural estão com um novo desafio pela frente. O grupo iniciou uma campanha virtual, uma vakinha online para arrecadação de materiais de construção e recursos financeiros para reforma e adaptação da nova sede do projeto social.

Desde 2017, o grupo ocupa duas salas cedidas pelo Centro Empresarial para ser sede do movimento social e assim oferecer as atividades culturais e educacionais à crianças e adolescentes da comunidade do Apolo II, bairro periférico entre Itaboraí e São Gonçalo. Com o passar do tempo o projeto cresceu e o espaço ficou pequeno para quantidade de atividades realizadas.

Em junho deste ano durante a pandemia de Covid-19 o irmão do fundador do movimento social faleceu, e a casa da família agora com único herdeiro foi doada para ser sede própria do Coletivo Ponte Cultural, e ser em breve o Centro Cultural. Porém o grupo precisa realizar reformas e adaptações no espaço, onde terão a possibilidade de dar continuidade, além de ampliar as atividades já realizadas.

O Coletivo Ponte Cultural é um movimento social que surgiu em 2016, com objetivo de promover a inclusão social através da democratização do acesso à cultura e a educação superior.

Segundo o diretor do Coletivo Ponte Cultural, Marcos Moura, o grupo é grato ao responsáveis do Centro Empresarial onde o projeto funcionava, mas com a possibilidade de ter uma sede própria o grupo poderá ter horário mais amplo e  incluir mais atividades.

“É muito simbólico para mim destinar a casa onde cresci para realizar tantas atividades educacionais e culturais. Existem grandes potências entre as crianças e adolescentes na periferia e o que eles/as precisam é de oportunidades. Agradecemos por todo apoio e carinho dos responsáveis do prédio, mas agora temos a oportunidade de caminhar com nossas ‘pernas’ no sentido de ter um espaço próprio”, disse Marcos Moura.

O grupo é composto por 33 voluntários profissionais da cultura e educação e dentre as atividades oferecidas gratuitamente, estão os cursos de Teatro, Cinema e TV, Desenho Realista, Danças Urbanas, Teclado, Violão, Piano e o Pré-vestibular Comunitário, que juntos somam mais de 200 alunos. Além da Biblioteca Comunitária, Saraus e Cine Clubes.

De acordo com a pedagoga, Andreia Costa, mãe de 4 filhos que participam do projeto, o Coletivo Ponte Cultural tem um alto comprometimento com seus alunos e, segundo a Andreia, sem o projeto, seus filhos talvez não cursassem as aulas de artes, pois ela não teria renda para custear os cursos para os quatros filhos.

“Eu e meus filhos entramos no coletivo em 2018. Eu me inscrevi e também os meus filhos assim que soube do projeto. Eu tenho uma filha que é altas habilidades, mas ela é muito introvertida e, quando ela começou a fazer o curso de teatro no Coletivo, ela se desenvolveu muito na escola e em outras áreas. Sou muito grata ao Ponte Cultural, pois foi um “up” na vida da minha filha, disse a pedagoga.

Todas as atividades são realizadas sem apoio ou qualquer incentivo financeiro e institucional do poder público. E desde sua fundação, em 2016, mais de 6.500 pessoas foram beneficiadas com as ações socioculturais do Coletivo Ponte Cultural.

Como doar?

Vakinha: https://www.catarse.me/TijoloporTijolo?ref=project_link

Notícias Relacionadas

 

 

 

 

 

 

 

ID do anuncio invalido ou não publicado.