Mais traineiras são vistas em Itaipuaçu nesta sexta-feira (31)

Foto: Reprodução / Redes Sociais

Foto: Reprodução / Redes Sociais

O crime contra a natureza não para; na manhã desta sexta-feira (31), mais traineiras foram vistas na Orla de Itaipuaçu. As atividades acontecem um dia após embarcações serem flagradas por um drone da SOMAR – Serviços de Obras de Maricá. Na última quarta-feira (29), a Marinha do Brasil realizou uma operação contra a prática em Ponta Negra.

LEIA MAIS:

→ Itaipuaçu: traineiras são flagradas fazendo pesca predatória

Os barcos puderam ser vistas bem próximas à areia. A utilização de redes de arrasto, nesse ponto do mar, é ilegal; a Lei de Crimes Ambientais, ordenamento jurídico que regula a prática, determina que esse tipo de pesca só é permitida em áreas que não sejam de preservação e com profundidade superior a 5 mil metros.

“Essas embarcações não respeitam o limite mínimo para a utilização de suas redes e isso prejudica muito a nossa vida marinha, não apenas os peixes, mas tartarugas, a fauna e tudo mais que as redes encontram pela frente”, afirma o secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca Julio Carolino.

Sanções são previstas para quem é visto realizando esse tipo de prática; a pena é de um a três anos de prisão, além de apreensão das redes. Caso o pescador seja registrado profissionalmente, ele também recebe multa e suspensão do direito de trabalhar entre 30 a 90 dias. Já se for uma empresa a praticante do crime ambiental, receberá multa e suspensão das atividades por 30 a 60 dias. No caso de pesca predatória amadora, o flagrado receberá multa e perderá os instrumentos e equipamentos.

{mp4}3669{/mp4}

Notícias Relacionadas