Rodoviários decidem por paralisação no dia 26 de abril em protesto por vacina

Foto: Divulgação

Rodoviários de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá decidiram realizar uma paralisação no dia 26 de abril, em protesto pela não inclusão da categoria no calendário de grupos prioritários para vacinação contra o Covid-19, por parte do Governo do Estado e prefeituras.

Nesta segunda-feira (19), o Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) comunicou às empresas, à Justiça e às autoridades do Estado e dos municípios a decisão da votação, de acordo com a Lei 7.783/89. De um total de 1.558 participantes, 1.481 optaram pela deflagração do movimento, 64 foram contrários e 13 votaram em branco.

De acordo com um levantamento do Sintronac junto às empresas de ônibus dos cinco municípios, a vacinação dos rodoviários não impactaria no quadro geral de imunização da população pelo pequeno número de doses necessárias para atender à categoria, de acordo com o universo populacional de cada cidade. Assim, em Niterói seriam necessárias 3.443 doses para os rodoviários de 12 empresas; em São Gonçalo, 7.147 profissionais em 14 viações; em Maricá, 1.226 em uma companhia; em Itaboraí, 263, também em uma empresa; e, em Tanguá, sete vacinas para os rodoviários de uma viação.

Desde janeiro deste ano, o Sintronac tem enviado ofícios às prefeituras alertando sobre a necessidade urgente da vacinação dos rodoviários. Apenas a Prefeitura de Niterói acenou com a possibilidade de imunização da categoria pela Sputnik V, cujos primeiros lotes adquiridos pela municipalidade chegariam à cidade em maio. No entanto, diante da relutância da Anvisa em aprovar a vacina russa, é improvável que essa promessa seja cumprida.

“Não tem sentido os rodoviários serem deixados para trás nessa campanha de vacinação. Foram tantas demissões ao longo dos anos, que a categoria minguou. Mas, ainda assim, os ônibus continuam a ser vetores de transmissão da doença e os rodoviários continuam expostos no seu cotidiano, enfrentando passageiros que não usam máscaras e jornada de trabalho intensa. Desde março do ano passado, até o último fim de semana, já somamos 49 mortos pelas consequências do Covid em nossa base, mas o número pode ser maior”, afirma o presidente do Sintronac, Rubens dos Santos Oliveira.

Greve

O dia 26 de abril foi estabelecido como marco para a paralisação, pois a data foi escolhida pelas prefeituras do Rio de Janeiro, Niterói, Maricá e Itaguaí para o início da vacinação de categorias profissionais, calendário que já foi alterado pelo atraso na remessa de lotes de vacina pelo Governo Federal, mas que se mantém como símbolo do descaso para com os rodoviários.

O Sintronac pretende estender o movimento para os demais municípios de sua área de atuação, além de iniciar conversações com sindicatos dos rodoviários da capital e da Baixada Fluminense para que estes participem da mobilização, além de metroviários, ferroviários e trabalhadores das Barcas.

Notícias Relacionadas