Prefeitura suspende temporariamente obras de revitalização por denúncia infundada de vereador Ricardinho Netuno

Foto: Elsson Campos

Foto: Elsson Campos

Denúncias feitas pelo vereador de oposição Ricardinho Netuno (Patriotas) provocaram a paralisaram de três obras importantes aguardadas pela população. A Secretaria de Obras paralisou as atividades de urbanização e construção de novos espaços de lazer em Jacaroá, na lagoa das amendoeiras em São José do Imbassaí e no Recanto em Itaipuaçu.

Após as denúncias, a Polícia Militar e a Polícia Civil estiveram nos locais e as obras tiveram que ser temporariamente paralisadas pela Prefeitura. A secretaria afirma que possui todas as licenças e vai apresentar no inquérito. Os casos foram enviados para o Juizado Especial Criminal (JECRIM) de Maricá.

As obras de revitalização são na mesma proporção das realizadas recentemente em Araçatiba e no Boqueirão com a Orla Zé Garoto. As duas áreas mudaram o cotidiano dos moradores com os novos espaços de práticas esportivas e ponto de encontro entre as pessoas.

Por conta da paralisação, o Secretário de Obras, Renato Machado, teme que a conclusão antes das festas de fim de ano fique prejudicada.

“Queremos apenas tranquilizar a população de que todas obras estão sendo feitas no devido processo legal e, assim que entregarmos todos os documentos, reiniciaremos os trabalhos. Infelizmente as obras não serão entregues no tempo esperado para as festividades do Reveillon”, informa Renato Machado.

As duas intervenções, interrompidas pela ação do vereador de oposição, têm sido bastante elogiadas pela população. Nos locais onde foram embargadas, as obras incluiriam pavimentação da via e um novo calçadão, além de academia ao ar livre, esculturas, bancos de madeira, quadras de areia para práticas de vôlei e futevôlei, além de uma iluminação especial. Tudo favorável ao encontro, à sociabilidade, ao lazer e ao relaxamento de crianças e adultos. No calçadão, pedestres, ciclistas, skatistas e patinadores dividiriam democraticamente a mesma pista e todo espaço. Enquanto isso, nas areias, o vôlei, o futevôlei e a yoga completariam o clima.

Elson Rangel de Sales, 71 anos, morador de São José, acredita que a interrupção da obra possa atrapalhar no desenvolvimento turístico da região. “Não pode embargar uma obra dessas por que é uma mudança que traz bem-estar para os pescadores, para o povo daqui, inclusive é um incentivo para o potencial turístico. Isso aqui é uma beleza”, declarou o morador que vive há 37 anos no bairro.

O aposentado Flávio José Leite, de 56 anos, argumentou que a interrupção da obra representa um retrocesso para o local. “A evolução tem que vir para São José como vai para todos os lugares. Isso é muito importante para nós. A obra aqui está sendo muito importante e espero que tenha continuidade”, afirmou.

Dono de um bar, Wesley Luis da Silva Matos, de 33 anos, acredita que o embargo seja por motivação política. “Agora que conseguimos uma vitória para a urbanização da beira da lagoa, brigas políticas vêm interferir e embargar uma obra. Briga política tem que ser na rua e não pode vir para prejudicar os moradores. Eu acho isso uma tristeza para o maricaense”, relatou.

Notícias Relacionadas