Vacinação contra Covid-19 deve começar entre 20/01 e 10/02, afirma Ministério da Saúde

Foto: Arquivo / Lucas Nunes

Durante coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira, o secretário-executivo do Ministério da Saúde Élcio Franco afirmou que a vacinação contra o novo Coronavírus já tem duas datas estipuladas para o início. No cenário mais favorável, a imunização começa entre 20 de janeiro e 10 de fevereiro.  Já no cenário mais pessimista, o ato começa a partir de 10/02.

Apesar de anunciar a data, Élcio tentou eximir o Ministério da Saúde de qualquer culpa caso o prazo não se confirme. “Vai depender de uma série de fatores, inclusive de logística, e dos laboratórios estarem em dia com o seu processo de submissão contínua e do processo de registro com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Não depende de nós, depende do laboratório cumprir com a sua parte”, afirmou.

Vale lembrar que diversos países já iniciaram planos de vacinação contra a Covid-19. Casos de países como Estados Unidos, Reino Unido e nações da União Europeia e até mesmo a vizinha Argentina, que já começou a vacinar públicos prioritários.

Registros de vacinas – O Ministério da Saúde acredita que uma das opções de imunizantes é a vacina desenvolvida pela Pfizer. Entretanto, a empresa não deu entrada no pedido de autorização emergencial até o fechamento dessa reportagem.

Quanto às demais empresas que desenvolvem imunizantes, os representantes do Ministério da Saúde informaram que solicitaram a elas que encaminhem os pedidos de registro à Anvisa. Segundo Élcio Franco, o Instituto Gamaleya, responsável pela vacina russa Sputinik V, informou que vai começar a fase 3 de estudos, o que possibilitaria a solicitação para uso emergencial.

Já a vacina da Oxford / Astrazeneca / Fiocruz concluiu a fase 3 e está “em vias” de apresentar o registro. Neste caso, o governo já celebrou um acordo de encomenda tecnológica para produção pela Fiocruz.

A Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantã e pela empresa chinesa Sinovac Biotech, não foi citada durante a coletiva. Esse é o imunizante que cidades como Maricá, Niterói e Saquarema já anunciaram a compra de doses para imunização de suas populações.

LEIA MAIS:
• Niterói assina acordo para comprar mais de 1 milhão de vacinas contra Covid-19
• Maricá assina acordo para compra de 440 mil doses da vacina contra COVID-19
• Saquarema comprará 200 mil doses da vacina contra Covid-19

Notícias Relacionadas